Informe seu e-mail para receber nossa Newsletter:

Newsletter:

Historico

Cidade: TAPIRAÍ


Celestino Américo, dono de muitas terras da região, iniciou a abertura de picadas na mata, com o objetivo de marcar o que lhe pertencia. Nesta mesma época, faleceu o Cel. João Rodrigues Rosa, também dono de terras da região, deixando-as para sua esposa, filhos e genros.
Em 1923, Celestino tornou-se vereador e logo depois, prefeito do município de Piedade.

Em 1930, chega o eng.º Celso David do Valle, que após realizar reconhecimento da área, escolhe o local da futura sede (ponto onde hoje está a igreja). Em setembro deste mesmo ano, é construído o primeiro rancho de pau- a - pique e fundada a colônia Juquiazinho.

Em 1934 através da Cia. Agrícola paulista, ampliou-se o processo de colonização, sendo abertos mais de 70 Km de estradas vicinais, entre as quais as denominadas do Rio Verde, Juquiazinho, Travessão e Nagazaki.

Em 1936, ampliava-se a colonização na área com a chegadas famílias japonesas do Kubota, Matsumura e Sato, sendo a sua principal atividade a produção do carvão vegetal (que permanece até hoje como importante atividade econômica do município).

Em novembro de 1938, através do Decreto Estadual nº 9775, o Patrimônio do Paranapiacaba foi elevado à categoria de Distrito, e com o nome de Santa Catarina Mártir.

Finalmente pelo decreto - lei nº 14334, de 30 de novembro de 1944, o Distrito de Santa Catarina Mártir passou a se chamar Tapiraí, ainda vinculado ao município e comarca de Piedade. Atendendo as aspirações da população a Assembléia Legislativa do Estado de São Paulo decretou e o Governador do Estado, Prof.º Carvalho Pinto, promulgou a Lei nº 5285, publicada em 19 de fevereiro de 1959, que elevou o Distrito de Tapiraí à categoria de município, com território constituído do respectivo Distrito e territórios desmembrados dos Distritos das sedes do município de Juquiá, Piedade e São Miguel Arcanjo.

Voltar

PUBLICIDADE